Luiz Cesar fala sobre o Thanatos

Ganhamos um blog de qualidade exemplar.Um blog estampa fina que vem trazer ao seio da nossa tão inculta sociedade , a possibilidade do conhecimento sobre o simples morrer como o simples nascer tão já assimilado pela ortodoxia da cultura burguesa. Pensar a morte deve ser a regra .Quiçá a exceção seja um equívoco das nossas contradições ou fragilidades , como acredito ser a recusa incosciente de sua concretude. Pois sim , vejo-a todos os dias se renovando em minhas partituras, em meus lúdicos sonhos que ao piano tiro em sustenidos e bemois para uma eterna leveza da melodia morta e suave, mas viva , escrita em 1791 como poderia ter sido agora. Quando editaram pela primeira vez um weblog ( BLOG ) não sei se pensaram na morte como estamos pensado agora. Luiz César

3 comentários:

Erasmo "Thanatos" Ruiz disse...

Salve Luis Cesar! Muito obrigado pela força. Que belo comentário, não pelo elogio em si, mas pela beleza das palavras "Pois sim , vejo-a todos os dias se renovando em minhas partituras, em meus lúdicos sonhos que ao piano tiro em sustenidos e bemois para uma eterna leveza da melodia morta e suave, mas viva". Quiça a gente consiga ao menos compor uma invenção, singela é verdade, mas talvez em algum momento dotada da genialidade de um Bach. Grande abraço do ERASMO

Marco Antônio Abreu Florentino disse...

NÃO FAÇO MINHAS AS PALAVRAS DE LUIZ CESAR... pelo simples fato de não possuir o talento poético que tanto lhe caracteriza , entretanto, concordo plenamente com seu comentário. A criação deste blog vem se somar ao ainda pequeno mundo de leitores desinteressados nos lixos editados em publicações de diversas naturezas ou nos programas de televisão que colocam a condição humana abaixo da linha da mediocridade e do mau gosto. Longe de uma suposta elitização intelectual, o fato é que viver em sociedade está cada vez mais difícil, visto que o número de pessoas medíocres, em todos os sentidos, se multiplicam geometricamente e os que buscam o mínimo de qualidade, independente da área na qual se inserem, aritmeticamente.
Este é com certeza um trabalho de formiguinha, mas talvez num futuro NÃO muito próximo, possamos melhorar alguma coisa enquanto seres pensantes.

PINGUIM LEOPARDO disse...

Gente que legal fui o visitante número 1000

Luiz Cesar