O luto virtual: negação ou novo espaço para elaboração do luto? (Ayala Gurgel)


A categoria luto virtual já existe. Ela apareceu pela primeira vez, provavelmente, em 02 de agosto de 1999, no Newsweek, por ocasião de um artigo escrito por Cose Ellis, chamado The Trouble With Virtual Grief: The pain that so many people feel for JFK Jr. should not be confused with the actual suffering of family and friends. Nesse texto, Ellis mostrava que a internet estava se tornando um espaço privilegiado para que anônimos e pessoas distantes pudessem partilhar de um mesmo processo de luto: o luto pelos vultos pátrios ou vultos heroicos.
Esse luto, que não podia ser usado para mensurar o luto real existente entre pessoas, mas, ganhava significado à medida que se tornava cada vez mais democrático e trazia de volta manifestações públicas e coletivas de rituais que vem sendo interditados na sociedade real. Nesse sentido, o luto virtual, era a manifestação coletiva de um sentimento de orfandade de uma nação.
Outros sentidos foram se somando ao uso desse termo. Primeiro, uma ampliação da manifestação coletiva do luto para além da indignação política ou sentimento de orfandade. A própria catarse passou a ser a orientação dessas manifestações, como nos casos da morte do inocente: o da menina Isabela Nardoni ou de Eloá podem ser exemplos disso.
Essa catarse vai se tornando cada vez mais privada e as pessoas passam a usar o mundo virtual como o espaço privilegiado para a manifestação de suas emoções, como ocorre em sites de relacionamentos, spans ou sites especializados. Nesses casos, é bastante comum o enlutado assumir-se virtualmente e anexar a seu perfil ou avatar algo que o identifique como enlutado.
Outro sentido está ligado à morte do próprio avatar, ou simplesmente ao seu sumiço. Ou seja, quando alguém passa muito tempo sem entrar nos sites que costuma frequentar, a sua identidade virtual – avatar – pode ser dada como inativa, o que gera preocupações por parte dos outros internautas que estão acostumados a interagir com esse avatar. Como esses internautas vivenciam uma perda dos laços afetivos que tinham sido criados com aquele avatar, essa emoção é vivenciada como um luto.
Contudo, do mesmo modo que existem carpideiras na vida real, existem pessoas que fingem sentimentos de luto por outras razões, como aqueles que entram em comunidades para enlutados ou em perfis de falecidos com outras intenções diferentes da elaboração da dor. Alguns com o intuito de denegrir e ofender a imagem do falecido, outros com a intenção de banalizar o luto, outros, ainda, com a intenção de proselitismo religioso, ou mesmo, com o simples intuito de chocar.

2 comentários:

unik lopez disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
unik lopez disse...

Olá Bom Dia! hoje é um dia muito triste para mim. Pois poderia ser feliz porque ontém dia 14-07-10-,foi meu anivers quer saber qual foi o meu presente minha tia veio a falecer justo neste dia que presente heim?! mas,tudo bem... tia eu entendi o seu recado Hoje logo pela manhã minha prima me acorda para me dar esta notícia. Estou dormindo o telefone toca já sabia do que se tratava porque vinha sonhando há 3 dias corridos antes do acontecido porque sou assim sei das coisas antes que elas aconteça não me porgunte como porque eu mesma não sei!...só Deus sabe o mistério disso ninguém mais nei eu sei. só sei que acontce quando tem de acontecer.

FRASE DESTE DIA:A APERDA DE UM ENTE QUERIDO E A DOR, JAMAIS SERÁ ESQUECIDA. POIS ESTA MESMA DOR EO SOFRIMENTO FICA LÁ NO FUNDO DO ♥ PARA QUE AMANHÃ POSSA SER LEMBRADA COM MAIS AMOR E CARINHO!!.....
Ass - Autora:Ap.c.unik lopez bento ♥
Meu Email é==:>unik_lopezk@hotmail.com