A Superação da Dor da Perda: "Vento no Litoral" de Renato Russo (Ney Ronaldy de Oliveira Paula)

Renato, em sua música Vento no Litoral, nos mostra a dor de quem sofre por não ter mais a pessoa que tanto gostava por perto. As lembranças, os planos... Tudo isto é quebrado por um fim antes do programado. Este é o problema. Temos a idéia de ter tudo planejado. E a morte não está em nossos planos. 

Tentamos esquecê-la. Deixamo-la de lado. O inesperado encontro com o inevitável. E quando nos deparamos com essa realidade presente em nossas vidas, não sabemos ao certo o que fazer. Perdemos o rumo. Envolvemo-nos em dor e angústia.
Para isso é que as palavras de Renato Russo apontam o caminho para a amenização do sofrimento.



"Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando
Tudo embora…"


O vento, as ondas, a linha do horizonte... Todos em busca de mostrar que o sofrimento pode ser convertido em bom saudosismo. Saber que você já viveu tudo aquilo revela-nos que tudo valeu a pena e ainda valerá. As experiências passadas nos apontam que vale a pena viver as futuras.


"E quando vejo o mar
Existe algo que diz
Que a vida continua
E se entregar é uma bobagem…"


A bobagem de entregar a vida... Afinal, ainda temos muito que viver mesmo para aqueles com vidas desenganadas por médicos, que ouviram dizer que não passarão de uma semana... Para todos, a vida, sim, não vale ser entregue. Há de sabermos aproveitá-la. Este deve ser o objetivo de todos. Aproveitá-la com quem nos fazem felizes e, caso aconteça algo em nossa caminhada, que possamos saber que foi escolhido o que realmente importa.


"Lembra que o plano
Era ficarmos bem…"

O plano é esse. Sermos felizes. Fazer o que nos traz alegria. "Carpe diem"! Nossos dias são estes. Não haverá mais um 08/01/2012 para contarmos. O que fazemos de nossas vidas é o que podemos levar de nossas experiências. E até isso não se fica. Mas o plano... Sempre seguir em frente.


"Agimos certo sem querer
Foi só o tempo que errou"


O inesperado, presente em nossas vidas, muda rumos, e o tempo parece ser o maior vilão quando percebemos que não se pode mais voltar e reescrever nossa história. E isso nos faz refletirmos a respeito de que devemos escolher sempre o melhor para nós, para que não nos arrependamos. Quantos domingos em família nós não abdicamos para passar horas e horas nos dedicando ao trabalho?


Quantas sextas-feiras não saímos com nosso amor para uma noite romântica a fim de uma reunião interminável sobre um tema mais chato do que você poderia imaginar? Uma filha sem o pai devido este estar atolado no trabalho em busca do melhor para sua filha quando, na realidade, o melhor para ela era somente a presença dele do seu lado?


Quantos “me desculpe” não são pronunciados por egocentrismo e orgulho, quando, muitas vezes, estas palavras fazem um bem danado para quem as ouve e, talvez bem mais, para quem as fala?
Por esta música, o vocalista da Legião nos mostra a dificuldade de superar uma perda inestimável. Para isso, a de se seguir em frente, aproveitar nossas vidas, não deixando para descobrir o quanto elas são preciosas só no final, pois o que queremos é ser sempre felizes.


Não deixar para o final as coisas boas, pois o final pode ser agora. "Carpe diem" a todos!

Ney Ronaldy de Oliveira Paula

2 comentários:

Thiciane Felix disse...

Parar o tempo dos outros e viver o seu próprio tempo é complicado, pois as escolhas que fazemos, algumas vezes não são as que almejamos. Contudo, como dito por Renato e explicado por Ney Ronaldy, devemos tentar fazer as escolhas certas para nós.

Gláucia P. Flores disse...

Parabéns pelo Blog, achei excelente, gostei muito!!Continue com o belíssimo trabalho!Um abraço